Seguidores

02/02/2013

MONTANDO CANTINHOS NA SALA DE AULA:

MONTANDO CANTINHOS NA SALA DE AULA:
 
 Estas são algumas sugestões para você montar  cantinhos na sala de aula de:
 * Cantinho de Leitura;
 * Cantinho de Pesquisa;
 * Cantinho das Artes;
 * Cantinho dos Jogos ou Cantinho Lúdico;
 * Cantinho das Dramatizações;
 * Brinquedoteca;
 * Gincanas;
 * Brincadeiras com o corpo através das músicas.

* Cantinho de Leitura;

Organizar cantinhos na sala de
aula é garantir o processo de
letramento dos alunos de forma
criativa, lúdica e competente.

Arrume sua sala de aula de forma aconchegante, alegre, dinâmica e organizada.
É importante ter um espaço para a "roda de conversas". As crianças devem sentar ao redor da educadora de forma confortável. Se necessário, pode-se forrar o chão com esteiras ou tapetes laváveis.
A "roda de conversas" também pode acontecer em outros espaços da escola como em um pátio, parque ou debaixo de uma árvore (quintal). O importante é garantir que a turma possa estar com a educadora sem "interrupções" externas.
 
Lemos para as crianças todos os dias!
Cada dia podemos ter um tipo de texto: um poema, uma história, uma parlenda, um trava-língua, um capítulo de uma história, uma informação sobre um animal...
É importante ler para a criança, pois o professor será seu modelo de leitor.
Essa leitura precisa ser planejada (escolha o livro, o tema, verifique se precisará de algum objeto ou música para enriquecer a leitura), o espaço poderá ser o mesmo da "roda de conversas", ou fora da sala (no pátio, debaixo de uma árvore, na sala de leitura ou biblioteca escolar).


O cantinho de leitura é um espaço importantíssimo na sala de aula.
Onde as crianças encontrarão variados materiais de leitura: livros, revistas, gibis, jornais, livros de receitas, atlas, dicionários, etc.

As crianças aprendem a manusear o material (escolher o material, ler e devolver no mesmo lugar), a ter cuidado o material (não amassar, rasgar ou rabiscar) ampliando sua autonomia.

Importante: não deixe lápis (ou material para escrever) neste espaço.
Podemos colocar objetos que ajudam a contar histórias: fantoches, avental, outros.
 
PROJETO VIAJANDO NA SACOLA MÁGICA DA LEITURA
APRESENTAÇÃO
Visando aperfeiçoar e valorizar o cidadão através das linguagens  artística, literária e histórica,
 a partir da compreensão do seu papel enquanto sujeito histórico, o projeto enfoca o ato de
 ler como ponto de partida para a construção do pensamento lógico, com isso, possibilitando
 a capacitação do aluno em construir suas relações diante do mundo.
Trata-se de um projeto de prática de leitura onde os alunos levarão para casa uma
 sacola contendo alguns livros de estórias infantis e um caderno de registro, onde terão
 que registrar e recontar a estória lida; usando escrita, colagem, desenhos e tudo que a imaginação mandar.   Depois, cada aluno apresentará sua criação aos colegas
JUSTIFICATIVA:
As estórias estão presentes em nossa cultura há muito tempo
 e o hábito de contá-las e ouvi-las tem inúmeros significados.
 Está relacionado ao cuidado afetivo, à construção da
identidade, ao desenvolvimento da imaginação, à capacidade
 de ouvir o outro e à de se expressar. Além disso, a leitura
 de estórias aproxima a criança do universo letrado e colabora
para a democratização de um de nossos mais valiosos
 patrimônios culturais: a escrita.
Por isso, é importante favorecermos a familiaridade das
crianças com as estórias e a ampliação de seu repertório.
 Isso só é possível por meio do contato regular dos
pequenos com os textos, desde cedo, e de sua participação
 frequente em situações diversas de conto e leitura.
 Sabe-se que os professores são os principais agentes
na promoção dessa prática – e a escola, o principal espaço
para isso.
Esse projeto visa fazer com que o aluno tenha prazer
em ler e consiga transmitir ao outro o que leu.
Assim, o livro deve ser mostrado e aberto com dimensão
 do prazer e da alegria, para que o aluno perceba que
 ler é uma viagem maravilhosa e não apenas mais uma
das atividades de escola.
PÚBLICO-ALVO
Todos os alunos do ensino fundamental.
OBJETIVOS:
• Proporcionar situações de leitura compartilhada.
• Aproximar os alunos do universo escrito e dos portadores
 de escrita (livros e revistas) para que eles possam manuseá-los,
reparar na beleza das imagens, relacionarem texto e ilustração,
 manifestar sentimentos, experiências, ideias e
 opiniões, definindo preferências e construindo critérios
próprios para selecionar o que vão ler.
• Fazer com que construam o hábito de ouvir e sentir prazer
nas situações que envolvem a leitura de estórias.
• Familiarizá-los com estórias e ampliar seus repertórios.
• Participação em situação de conto e leitura de estórias.
• Escuta atenta e interessada de estórias.
• Observação e manuseio de livros.
• Desenvolver no aluno a facilidade de se expressar
 em público, inicialmente, perante aos colegas de sala.
METODOLOGIA BÁSICA
Haverá uma sacola com diferentes livros de estórias e um caderno de registros. Os alunos,
que serão sorteados, levarão a sacola para casa, por três dias. O aluno deverá ler um ou mais livros da sacola e depois fazer um registro no caderno, que poderá ser através da escrita, de desenhos, montagem, colagem ou alguma outra forma criativa que ele preferir.
Depois, na sala de aula, o aluno poderá apresentar para os colegas o livro que leu e o seu registro.
Também poderá ser apresentado na forma teatral, se o aluno quiser.
CONTEÚDO DOS TRABALHADOS
• Português – literatura através da leitura e do registro que ele terá que fazer.
• Produção textual – o aluno poderá produzir outros textos usando o que foi lido, em forma de poesia, narrativa e teatro.
CRONOGRAMA
• Durante todo o ano letivo
AVALIAÇÃO
Ocorrerá durante todo o processo, a partir da observação direta das atitudes do aluno-leitor no seu cotidiano, e da avaliação de leitura e interpretação de texto do aluno, no dia-a-dia
* Cantinho de Pesquisa; 
* Cantinho das Artes;


 
Um cantinho para as artes é fundamental!

Um dos espaços da sala pode ser reservado para as Artes Plásticas:
Desenho, pintura, dobradura, modelagem e colagem.
Este é um espaço que precisa da organização pela professora (manter os materiais necessários) e das crianças (aprendem a manusear os materiais para suas produções).
A limpeza posterior deve ser compartilhada com as crianças.
As atividades desenvolvidas também devem ser planejadas pela professora.

Projeto Artes

JUSTIFICATIVA:
A linguagem da arte na educação tem um papel fundamental, envolvendo os aspectos cognitivos, sensíveis e culturais.
Atualmente tem se observado a necessidade de novos projetos de artes, no sentido de desenvolver práxis nas quais haja a total integração do profissional  da arte da educação, das crianças, da instituição e da comunidade.
As artes estão presentes no cotidiano da vida infantil. Ao rabiscar e desenhar no chão, na areia e nos muros, ao utilizar materiais encontrados ao acaso, ao pintar objetos e até mesmo seu próprio corpo, a criança pode se utilizar de expressões artísticas.
OBJETIVO:
Ampliar o conhecimento do mundo das artes que possuem, manipulando diferentes réplicas, explorando suas características, propriedades e possibilidades de manuseio e entrando em contato em formas diversas de expressões artísticas.
TOTAL DE AULAS:
12 ou mais aulas, pode depender do tempo que as crianças levarão para reproduzirem cada obra. Algumas obras poderão levar mais de uma aula para serem concluídas.
SEQUÊNCIA DE AULAS:
1ª Aula
Apresentar a obra da borboleta.
Cantar a canção da borboletinha junto com as crianças.
Observar a obra e fazer um levantamento oral.
Apresentação da biografia do autor da forma mais indicada para o perfil da turma (pode ser através de vídeo, leitura, painel, fotos etc)http://biografias.multiply.com/photos/album/26/Romero_Britto
Explicar a assinatura na obra.
2ª Aula
  Organizar um cantinho para que os alunos reproduzam a obra da borboleta com massa de modelar decorando o esboço.
 
 3ª Aula
Apresentar o poema "Borboletas de Vinícius de Moraes" através de cartaz
Trabalhar o poema, explorando as cores, escrita das palavras e as rimas.
Junto com a turma podem criar seu próprio versinho para a obra da borboleta que poderá ser exposto junto com as outras criações ao final do projeto.
 
4ª Aula
Com formas geométricas e linhas fechadas os alunos irão fazer suas obras de artes inspirados em Romero Brito.
5ª Aula
Observar a obra bigodes andulados levantando as cores as formas geométricas. Falar sobre o animal representado nessa obra ( o gato). Seu valor emocional, suas qualidades assim como características.
Nesse dia poderá ser aplicada uma atividade diagnóstica a partir dessa aula, a atividade deverá ser elaborada de acordo a realidade da turma.
 
6ª Aula
Cantar uma canção conhecida ou apresentar uma nova canção sobre flor para a turma.
Apresentar a obra da flor de Romero Brito.
Levantar as cores, formas e linhas utilizadas por ele.
Reproduzir a obra utilizando retalhos de tecidos estampados para fazer as pétalas no esboço de papel duplex.
 
7ª Aula
Organizar um canteiro de flores feitas pelos alunos na aula anterior.
8ª Aula
Levar todas as curiosidades possíveis sobre o artista Romero Brito.
Poderá ser feita leitura de frases, apresentar propagandas e os diversos tipos de trabalhos realizados por ele dentro e fora do país.
9ª Aula
Distribuir caixas de sabão em pó previamente forradas em branco para os alunos reproduzirem uma propaganda para a marca do sabão em pó como fes Romero Brito.
Esse mesmo trabalho pode ser feito com garrafas de refrigerante, pois o artista fez um rótulo para uma marca de refrigerante.
 
10ª Aula
Cantar com os alunos uma canção que eles gostem sobre cachorro, existem várias, uma que as crianças gostam muito é a do txutxucão.
Apresentar a obra do "cachorro" do artista Romero Brito.
Roda de conversa sobre a obra.
Observar o comportamento do cão e associar ao nome da obra.
Fazer a dobradura do cachorro.
 
11ª Aula
Pintar a dobradura do cachorro e colar em um papel para ampliar o cenário.
12ª Aula
Organizar os trabalhos da turma para serem expostos.
____________________________________________________________________________

A Laranjeira: construindo regrinhas em sala de aula

Dados da Aula

O que o aluno poderá aprender com esta aula
·       Organizar o trabalho e os tempos em sala de aula.
·        Construir os combinados da sala
·        Desenvolver noções de respeito e amizade
·        Levar a criança a se expressar oralmente e plasticamente
·        Construir aprendizado sobre plantio e cuidado de sementes

Duração das atividades
5 horas aulas
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno
O professor pode trabalhar algumas noções de respeito e normas de convivência.

Estratégias e recursos da aula
Introdução:
Todo início de ano letivo as crianças necessitam reconstruir alguns combinados importantes para a organização do tempo e do espaço na sala de aula. Tais combinados auxiliarão no processo educativo e por isso também trarão rebatimento na aprendizagem das crianças, porém é importante que elas possam falar sobre eles e participarem da construção dos mesmos.    
Primeiro Momento:   Leve para a sala de aula uma história para estimular o debate e esquentar a discussão. A sugestão é o livro “A laranja Colorida” Autor: Ronaldo Simões Coelho, Ed. Lê.
O livro conta a história de duas crianças que admiravam um pé de laranjas carregado de laranjas e que pensavam em dividir a laranja mais bonita do lugar. A laranja desejada gostou
da idéia e fez de tudo, até se disfarçou, para que os pássaros não a encontrassem só para se guardar para o dia em que seria partilhada pelas crianças. Disfarçou-se tanto que quase não foi percebida no dia tão especial da partilha! Ainda bem que uma chuvinha a ajudou e deu tudo certo.      

 Numa rodinha de conversa – todas as crianças assentadas em círculo a fim de que possam se ver simultaneamente - leia a história para as crianças e proponha um debate. Converse com elas sobre o desejo da laranja de ser partilhada e seu empenho em se disfarçar para chegar o grande dia. Pergunte às crianças o que acham da atitude das borboletas em ajudar a laranja a se disfarçar.  
 Construa um texto coletivo com as respostas das crianças. Escreva o texto em letra caixa alta num cartaz grande e peça que as crianças façam a ilustração.     
Segundo Momento:   Combine com as crianças de levarem laranjas para dividir entre os colegas E as convide a plantar as sementinhas na escola. Nesse dia leve para a sala a réplica da obra de arte: Nove papagaios em uma laranjeira de Lucy Autrey Wilson, para que as crianças façam uma releitura da imagem. A releitura pode ser feita com tinta guache e papel sulfite e os desenhos devem ser expostos no varal da sala a fim de serem apreciados por todos da turma.
Terceiro Momento: Como todos concordaram em plantar as sementinhas de laranja, proponha então esse momento perguntando: Como se planta uma semente?. Muitas hipóteses surgirão e você professor então leva a informação de que para plantar é preciso adubar a terra primeiro e preparar a cova do plantio. É claro que os materiais para esse preparo já devem ter sido organizados por você anteriormente. Faça o plantio com as crianças e comecem um ciclo de observação dessa semente.
Caso o professor queira, pode ainda trabalhar a poesia:  
Laranjeira
  Baltazar de Godoy Moreira (SP 1898) Poeta, contista, professor, pedagogo.   
Uma linda sementinha
Em meu quintal descobri
Alva!  Macia, limpinha!
– Minha linda sementinha Que posso fazer de ti?   
Faze uma covinha rasa Com boa vontade e amor, No quintal de tua casa,
Onde haja luz e calor.
 Deixa-me lá, por favor.   
Um dia quando tu fores moça, formosa e faceira.
Terei um tronco encorpado, e uma ramada altaneira.   
Cheia de frutos e flores
Então, com maior agrado
Darei para o teu noivado,
Os botões de laranjeira    Depois do plantio da semente construa com as crianças a linha do tempo
com os seguintes dados
Ex.:
DATA DO PLANTIO   /OBSERVAÇÃO DO CRESCIMENTO  /OBSERVAÇÃO DO CRESCIMENTO
12/____________________20/_____________________________30/__________________   
A linha do tempo deve ser construída de acordo com os acontecimentos mais
importantes desde o plantio até o brotar ou não da plantinha.
Quarto Momento: Como o cuidado com a sementinha plantada será diário,
 retome com as crianças a importância de regar, adubar, tirar um tempo para esse cuidado
 em sala e converse com as crianças sobre as relações que estão estabelecendo.
Faça os seguintes questionamentos: para crescer forte, uma sementinha não precisa
de cuidado? E a sementinha da nossa amizade em sala precisa de que para crescer?
Será que nós estamos cuidando do nosso coleguinha? O que podemos fazer para que
nossos dias em sala de aula fiquem mais prazerosos e nossos coleguinhas mais felizes?
Na medida em que as crianças forem falando, vá fazendo uma lista das sugestões.
As sugestões dadas pelas crianças passarão a ser os combinados da turminha. O professor complementa a lista com o que achar conveniente, como os horários em que fazem
cada coisa, tal como brincar, atividades, parque, lanche. Explique que existem horários
definidos para cada atividade etc. Convide as crianças a construírem a Laranjeira da Amizade
 da turma. Peça que cada criança escolha uma das sugestões para ilustrar. Dê para as crianças a imagem de uma laranja para que elas façam a ilustração do combinado escolhido.
Elas podem fazer a ilustração por meio de desenho ou pintura.
________________________________________________________________________________
Projeto: Artes
Tema: Retrato e Auto-Retrato
Duração: 1 mês
 
1-Diagnóstico
F O que eles sabem sobre arte?
F Conhecem algum artista - pintor?
F O que representa um auto-retrato para eles?
 
2- Idéias do projeto
F Fazer com que as crianças reproduzam retrato e auto-retrato sabendo diferenciá-los e observar todos os detalhes.
F Conhecer um pouco da vida e obra de alguns pintores que pintaram seu auto-retrato: Tarsila do Amaral, Pablo Picasso e Van Gogh.
3-Objetivos
F Despertar o interesse dos alunos pela atividade de fazer arte e cria-la;
F Despertar a independência e autonomia ao realizar as atividades;
F Respeitar às diversidades;
F Desenvolver uma imagem positiva de si (independência e confiança);
F Descobrir e conhecer progressivamente seu próprio corpo, suas potencialidades e seus limites (hábitos de cuidado com a saúde e o bem-estar);
F Estabelecer vínculos afetivos e de troca com adultos e as outras crianças (comunicação e interação social);
F Estabelecer e ampliar as relações sociais (atitudes de ajuda e colaboração);
F Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;
F Desenvolver e utilizar suas diferentes linguagens (corporal, musical, plástica, oral e escrita);
F Conhecer manifestações culturais demonstrando interesse, respeito e participação, valorizando a diversidade;
F Observar detalhes de um retrato e de um auto-retrato descobrindo semelhanças e diferenças.
4- Planejamento - Conteúdos
F Diferenciação de retrato e auto-retrato;
F Apreciação de obras de arte;
F Descobrir diferentes maneiras de se retratar;
F Escrever seu nome em letra cursiva;
F Apresentação e escrita das consoantes;
F Discriminação auditiva das consoantes;
F Criação de histórias;
F Somar;
F Preparação para subtração;
F Números de 15 a 20;
F Conceitos: maior e menor; mais e menos; curto e comprido; fino e grosso; direita e esquerda; perto e longe; largo e estreito; pequeno e grande;
F Estações do ano;
F Cultura brasileira;
F Datas comemorativas;
F Meios de comunicação;
F Expressão corporal;
F Psicomotricidade;
F Relaxamento;
F Técnicas de pinturas;
F Colagem;
F Recortes;
F Desenhos;
F Modelagem;
F Criação de histórias;
F Linhas (traços)
F Saber respeitar o amigo;
F Ter hábitos de higiene todos os dias (tomar banho, escovar os dentes, pentear os cabelos, etc...);
5- Estratégia
Material:
F Diferentes tipos de papeis (sulfite, cartolina, pardo,
 espelho, crepom etc);
F Lixa;
F Canetinha;
F Tinta;
F Lápis de cor;
F Massinha;
F Livros;
F Revistas;
F Nanquim ou carvão;
F Pena para nanquim;
F Máquina fotográfica , celular e Web-cam.
Etapas:
F Reflexão & Discussão. A proposta é discutir com os alunos as diferenças entre um retrato feito por um fotógrafo e um retrato feito por um pintor.
Registrar as opiniões dos alunos em cartazes no papel pardo.
F Curiosidades:
Leitura da biografia do artista com os dados mais importantes.
Artistas escolhidos: Tarsila do Amaral, Pablo Picasso e Van Gogh.
F Roteiro para apresentação das obras de artes: (auto-retrato)
TARSILA DO AMARAL
_ Observe a mulher
_ Qual a sua posição?
_ Como são os seus olhos?
_ Para onde ela está olhando?
_ Como está a sua boca?
_ Qual a cor do seu cabelo e pele?
_ Que idade aparenta ter?
_ A mulher usa algum tipo de pintura em seu rosto?
_ Em que tipo de lugar ela parece estar
PABLO PICASSO
_ Observe o homem?
_ Como é o seu rosto?
-  Que idade aparenta ter?
_ Como são suas sobrancelhas?
_ Como são os seus olhos?
_ Como é a sua pele?
_ Em que lugar ele parece estar?
_ Existe algo atrás da pessoa?
VAN GOGH
_ Observe o homem.
_ Qual a sua posição?
_ Para onde está olhando?
_ Como são suas sobrancelhas?
_ Como são os seus olhos?
_ Como é o seu cabelo?
_ Que partes do corpo podemos ver?
_ Como é a sua pele?
_ Existe algo atrás da pessoa?
6- Hipótese
F As crianças puderam ver os retratos com detalhes que os adultos não percebam;
F Aguçar a vontade de ser artistas e/ou fotógrafo.
7 - Prática:
F Propor que o aluno faça seu auto - retrato;
F Propor que em duplas um colega retrate o outro;
F Propor que os alunos reproduzam imagens utilizando diferentes papéis e meios para construir suas imagens;
F Propor que cada aluno escolha uma fotografia sua e faça uma lista com as suas características;
F Coletivamente listar as características de uma foto grande previamente escolhida e levada pela professora para sala de aula;
F Discutir com o grupo as características individuais e a coletiva;
F Registrar em um cartaz as dúvidas e hipóteses que surgirem dos alunos no decorrer das atividades;
F Pedir aos alunos um desenho da fotografia para a construção de um novo retrato com técnicas diferenciadas: colagens, desenho ou pintura;
F Discutir com os alunos que transformações podem ser feitas ao retratar artisticamente uma foto. Quais características pretendem manter e quais pretendem modificar;
F Propor que os alunos façam desenhos rápidos ( esboços ) a partir da observação de modelos humanos;
F Realizar uma série de desenhos a partir do desenho cego ( Desenho que se faz olhando apenas para o modelo, sem olhar para o papel. ) e completá-lo em seguida com o desenho de observação.
F Comparar os desenhos cegos dos desenhos de observação;
F Tirar fotos de seus amigos na escola, retratando e observando suas expressões;
F Mostrar que temos meios de comunicação como celular e Web-cam que também tiram fotos.
8 - Avaliação
F Contínua de observação
9- Ponto culminante
F Apresentação das fotos com os respectivos auto-retratos (com o maior número de detalhes possível) expostos nas paredes da escola, em forma de cartaz.


Cantinho das artes

Quanto maiores forem as
oportunidades de descobertas, manipulações,
construções oferecidas às
crianças, maiores serão as chances
de um desenvolvimento harmonioso
e compatível com suas possibilidades.
Sendo assim, entre os cantinhos
exploratórios não pode faltar um dedicado
às artes. Quando se desenha
ou se desenvolve uma atividade artística
criativa, podemos dizer que se
vive um momento de introspecção,
um tempo de reflexão e de expressão
sobre si mesmo e sobre o mundo.
Dentro do processo de construção de
conhecimentos e significados, é evidente
que desenvolver a percepção é
um objetivo importantíssimo. E para
concretizá-lo, é preciso que a escola, dedique mais tempo as Arte.
 

* Cantinho dos Jogos ou Cantinho Lúdico;
 
Cantinho dos jogos

Confeccionados em EVA, cortiça,   cartolina ou até mesmo de madeira
e borracha, também devem estar ao alcance dos pequenos em um cantinho especial.
Quebra-cabeças,  jogos de encaixe e muitos outros...
Sugerimos que, caso a escola não tenha como oferecer nem tão pouco pedir ajuda aos
familiares, a professora vá confeccionando-os aos poucos, por exemplo, de acordo
com as datas comemorativas, e colecionando-os numa caixa separada.
Entre diferentes jogos é sempre necessário ter aqueles ligados às letras, às histórias infantis. Atividades como manusear o alfabeto móvel para fazer montagens, leituras, sequenciações,
escrita do nome próprio e dos colegas, montar quebra-cabeças de textos escritos e com
 imagens são de muita importância.  Os alunos que terminam suas tarefasmais rapidamente
podem usufruir desse cantinho, sentindo
assim prazer em permanecer/entro da sala


Saindo da sala, as crianças deverão contar com espaço para brincadeiras ao ar livre.

Se chover, mude a organização das mesas,

crie mais espaço em sua sala e faça brincadeiras bem divertidas

A canoa virou"
O Projeto Nome Próprio também inclui uma atividade para ser desenvolvida na área externa. A base dela será a seguinte estrofe a ser cantada, retirada da cantiga folclórica "A canoa virou": Se eu fosse um peixinho/ E soubesse nadar/ Eu tirava a (Nome da Pessoa)/ Lá do fundo do mar. 

* Organize as crianças em uma roda e, no meio, coloque os crachás com os nomes.
* Inicialmente, acompanhando os versos da cantiga, fale o nome do aluno e peça a ele para retirar seu próprio crachá.
  * Depois, para dificultar a tarefa, convide uma criança para retirar o crachá de um colega. Acompanhando a cantiga, chame-os por ordem alfabética, de modo que os alunos pensem nas letras e identifiquem quem será o próximo a ir ao centro. 
 * Cite o nome a ser retirado conforme a dificuldade/ facilidade de cada criança. Para alunos com mais facilidade, nomes mais complexos. Para alunos com algum grau de dificuldade, nomes mais simples, para que todos tenham chance de acertar e sintam-se estimulados.
  * Caso o aluno retire o crachá errado, converse com todos, perguntando por que está errado, qual é a primeira letra do nome citado, que letra vem depois, e assim por diante, até o aluno retirar o crachá certo, para daí sair do meio da roda. Os colegas podem dar dicas.
* Cantinho das Dramatizações;

Um baú repleto de  chapéus, óculos, xales, bijuterias,
maquiagens, fantasias,   perucas, máscaras...
Em frente a ele, um espelho   na altura das crianças. Pronto!
Acaba de surgir dentro  da sala de aula um ambiente  fascinante onde atividades corporais e de jogo simbólico podem ser realizadas e registradas pelo professor em um segundo momento, juntamente com os alunos, para que percebam sempre a importância de transformar nossa linguagem, ideias,
falas, pensamentos em escrita. É interessante  convidar outros membros da escola e os pais para ler os registros que podem ser acompanhados de fotos.


* Brinquedoteca;

Brinquedoteca
Um canto na sala com os brinquedos ão pode faltar, especialmente os fantoches e marionetes para dramatização   de diferentes histórias.
E a sugestão é que os momentos   de brincadeira sejam, por vezes, supervisionados pelo professor, que   pode fazer interferências criando situações- problemas, comparando-as  
a atitudes da realidade diária, provocando   novas descobertas no meio das brincadeiras. Um bom observador   pode descobrir muito dos alunos por meio delas e tirar proveito sempre.
Cada atividade realizada com   os brinquedos, de maneira orientada  pelo professor, pode e deve ser registrada   juntamente com os alunos, em um segundo momento. De tanto realizarem   este tipo de atividade, verão a escrita e a leitura como algo natural     que faz parte do cotidiano, assim
como as brincadeiras.
“É na relação com o outro que
o homem constrói e reconstrói seu conhecimento”.
 
* Gincanas;
  a)- Quem sabe canta.
 ( A criança de qualquer equipe que tocar a campanha primeiro
cantará
   b)- Quebra – cabeça  (de gravuras).
( montar no flanelógrafo. Cada equipe terá 5minutos
para montar, se não conseguir passa a vez para a
outra equipe.).
 
 c)- Aprendi na Bíblia e sei completar.
(Desenhar dois círculos no chão, um para cada equipe.
Quem chegar nele 1º , completa o versículo ou frase ou
pergunta sobre o tema em estudo.

  d)- Roda viva. QUEM FOI Que?????????????
  (Todos assentados em círculo, passa-se uma caixa com
perguntas. Quando parar a música, quem estiver com a
caixinha pega uma pergunta e dá a resposta).
   Gincana, jogos e brincadeiras
1-  Mordida da maçã;
2-  Estoura balões com fubá;
3-  Guaraná no prato;
4-  Enchendo garrafas com esponjas;
5-  Dança das cadeiras;
6-  Jogos: peteca, corda queimada e futebol;7-Corrida do saco;8- Dança da Laranja;9- Corrida do ovo;10- Acertar o alvo;11- Quem sabe vestir?12- Dar nós em barbante;


                          Projeto Dia das Crianças Justificativa:A criança tem o direito de ser feliz, de ser valorizada, respeitada e amada. Ela passa a maior parte do tempo na escola, que por sua vez desempenha sua função social proporcionando à criança um ambiente feliz, acolhedor e amável.
 
Objetivos: * Promover, durante a semana da criança, atividades extraclasse, variadas e interessantes, visando dar a criança oportunidades de lazer e sociabilidade educativas
* Valorizar a criança
* Estimular a auto-estima
* Evidenciar direitos e deveres da criança
* Desenvolver o raciocínio-lógico, a expressão oral e corporal, a coordenação motora, a percepção auditiva e visual da criança
* Proporcionar jogos e brincadeiras


 

Desenvolvimento: Capa para trabalho
Lembrancinhas
Desenhos para colorir
Recorte e colagem
Músicas e poesia
Dobradura
Brinquedos com sucata
Brincadeiras dirigidas
Mensagens

Culminância: Realização de apresentação de musicas, poesias e teatros com pipoca ou cachorro quente ou bolo e entrega de lembrancinhas para as crianças.

Avaliação: A avaliação deve buscar entender o processo de cada criança e a significação que cada trabalho comporta. A observação do grupo, além de diária e constante, deve fazer parte de uma atitude sistemática do professor dentro do seu espaço de trabalho.

Duração: 1ª quinzena do mês de outubro

 

                          Marcadores:brincar

            91) PIQUE-SACI
           É um pega-pega comum, mas só vale usar 1 pé pra correr, valendo alternar entre os dois
         92) CORRIDA DE CADEIRAS
       Corrida de trios. Cada trio é composto por duas pessoas que unem os braços e formam uma cadeira e um rei que irá subir na cadeira (união de braços). O objetivo é correr e descer o rei na linha de chegada. O trio que conseguir isso primeiro vence.
             93) BALANÇA CAIXÃO
        Dois mestres pegam alguém pelas pernas e braços e começam a balançar seu corpo pra lá e pra cá. Uma variação é fazer isso com mais pessoas. Ou seja, os balançados seguram um no braço do outro. É divertidíssimo!
          94) PACMAN
         Pega-pega na quadra, porém só é permitido andar por cima das linhas da quadra. O "pacman" (pegador) também deverá andar apenas pelas linhas. Quem for pego, deverá sentar no local exato onde foi pego e servirá de obstáculo para quem está fugindo, mas NÃO para o "pacman", ou seja, o pegador pode pular as pessoas que foram pegas por ele e estão sentadas no chão, mas os fugitivos não podem pular esses obstáculos. Quem for o último a ser pego será o vencedor.
           95) ESTOURA-BEXIGA
          Todos participam. Cada jogador terá uma bexiga amarrada em seu tornozelo. O objetivo é estourar a bexiga dos adversários e proteger a sua. Ganha o último que ficar com a bexiga intacta.
          96) REVEZAMENTO DOS RODADOS
       Igual ao revezamento do atletismo, mas antes de correr é preciso dar 25 voltas em um cabo de vassoura. São 4 participantes por equipe e ganha a equipe cujo o último participante chegou primeiro. Se cair, levanta e continua.
               97) LATERAL
         Jogam duas equipes e dois baleadores. Cada equipe tem seu campo, que estará dividido por uma linha. Quando os baleadores gritarem JÁ, as equipes terão que trocar de campo imediatamente. Durante a correria, os baleadores tentarão balear alguém. Se não conseguir, faz outra rodada. Se conseguir, quem for baleado fica do lado de quem o baleou. O jogo prossegue até não sobrar mais ninguém. Vence o baleador que tiver pegado mais gente.
              98) PEDRA, PAPEL, TESOURA
        Um pega-pega bastante divertido. Pedra corre atrás da tesoura, tesoura corre atrás do papel e papel corre atrás da pedra, ganha o primeiro que cumprir sua tarefa.
 
        99) ARTILHARIA
      Dois times em dois campos separados por uma linha. No final de cada campo, é colocado uma garrafa peti. Uma pessoa de cada equipe tenta jogar a bola e derrubar a garrafa do adversário. A equipe que derrubar a garrafa deverá erguê-la novamente, mas se protegendo da outra, que agora tem autonomia para balear. Quem for baleado não pode erguer a garrafa. Se a equipe conseguir reerguer a garrafa antes de todos serem baleados, ela ganha. Mas se todos forem baleados e a garrafa continuar no chão, a outra equipe ganha.
              100) GUERRA DE MANDIOCA
       Jogam duas pessoas, cada uma com a sua mandioca segura pela metade. Cada um tem a sua vez de bater com toda a força na que o outro segura. Ganha quem quebrar a mandioca do adversário primeiro.
 

 

           Dinâmicas de Grupo Infantis

 

                           Dinâmica do Nome

Esta dinâmica propõe um "quebra gelo" entre os participantes. Ela pode ser proposta no primeiro dia em que um grupo se encontra. É ótima para gravação dos nomes de cada um.
Em círculo, assentados ou de pé, os participantes vão um a um ao centro da roda (ou no próprio lugar) falam seu nome completo, juntamente com um gesto qualquer. Em seguida todos devem dizer o nome da pessoa e repetir o gesto feito por ela.

Variação: Essa
dinâmica pode ser feita apenas com o primeiro nome e o gesto da pessoa, sendo que todos devem repetir em somatória, ou seja, o primeiro diz seu nome, com seu gesto e o segundo diz o nome do anterior e gesto dele e seu nome e seu gesto... e assim por diante. Geralmente feito com grupos pequenos, para facilitar a memorização. Mas poderá ser estipulado um número máximo acumulativo, por exemplo, após o 8º deve começar um outro ciclo de 1-8 pessoas.

              Dinâmica do "Escravos de Jó"




Esta dinâmica vem de uma brincadeira popular do mesmo nome, mas que nessa atividade tem o objetivo de "quebra gelo" podendo ser observado a atenção e concentração dos participantes.
Em círculo, cada participante fica com um toquinho (ou qualquer objeto rígido).
Primeiro o Coordenador deve ter certeza de que todos sabem a letra da música que deve ser :

Os escravos de jó jogavam cachangá;
os escravos de jó jogavam cachangá;
Tira, põe, deixa o zé pereira ficar;
Guerreiros com guerreiros fazem zigue, zigue zá (Refrão que repete duas vezes)

1º MODO NORMAL:

Os escravos de jó jogavam cachangá (PASSANDO SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DA DIREITA);
os escravos de jó jogavam cachangá (PASSANDO SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DA DIREITA);
Tira (LEVANTA O TOQUINHO), põe (PÕE NA SUA FRENTE NA MESA), deixa o zé pereira ficar (APONTA PARA O TOQUINHO NA FRENTE E BALANÇA O DEDO);
Guerreiros com guerreiros fazem zigue (PASSANDO SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DA DIREITA), zigue (VOLTA SEU TOQUINHO DA DIREITA PARA O COLEGA DA ESQUERDA), zá (VOLTA SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DA DIREITA) (Refrão que repete duas vezes).


2º MODO:
Faz a mesma seqüência acima só para a esquerda

3º MODO:
Faz a mesma seqüência acima sem cantar em voz alta, mas canta-se em memória.

4º MODO:
Faz a mesma seqüência acima em pé executando com um pé.

5º MODO:
Faz a mesma seqüência acima com dois toquinhos, um para cada lado.

          Dinâmica da "Escultura"


Esta dinâmica estimula a expressão corporal e criatividade.
2 x 2 ou 3 x 3, os grupos devem fazer a seguinte tarefa :

Um participante trabalha com escultor enquanto os outros ficam estátua (parados). O escultor deve usar a criatividade de acordo com o objetivo esperado pelo Coordenador, ou seja, pode buscar :

-estátua mais engraçada
-estátua mais criativa
-estátua mais assustadora
-estátua mais bonita, etc.

Quando o escultor acabar (estipulado o prazo para que todos finalizem), seu trabalho vai ser julgado juntamente com os outros grupos. Pode haver premiação ou apenas palmas.
 
       * Brincadeiras com o corpo através das   músicas.

  AULA:   GINÁTICA HISTORIADA
(   O professor vai contando a história e as crianças irão fazendo os movimentos).
 

FOGO NO CIRCO

            O circo estava armado no centro da praça. A lona era muito grande, muito grande mesmo. ( o professor abre os braços para dar idéia de tamanho da lona e as crianças imitam), lá dentro havia uma porção de bichos: leão, tigre, girafa, cavalo, onça, urso e um macaco.
           Era noite e estava escuro. Os bichos estavam dormindo. Não se ouvia nenhum barulho. Quem tomava conta do circo de noite era o senhor João, um velhinho que sempre levava a mão uma lanterna acesa. Seu João estava sentado e ouviu um barulho. Ele se levantou e foi andando devagarzinho, assim na pontinha dos pés. ( deslocamento de todo o grupo).
          Começou a sentir cheiro de queimado e foi andando mais depressa (marcha), mais depressa, mais depressa... Começou a correr na direção do barulho e viu um fogo ainda pequenininho. Voltou correndo assim, por baixo dos bancos ( quadrupedismo).   
           -O circo está pegando fogo! O circo está pegando fogo!  Começou a juntar gente e logo chegaram os bombeiros.   
           Vieram muitos carros e os bombeiros puseram a escada e foram subindo (trepar) e começaram a jogar água na fogueira que já estava muito grande.
           Os leões urravam ( imitar),  os cavalos relinchavam, os tigres rugiam, os macacos  guinchavam. Os pobres macacos, que estavam presos nas jaulas, começaram a pular de um lado para o outro (saltar) , pois o fogo já estava perto deles.
           Seu João veio abrir as jaulas. Os macacos subiram pelas grades e começaram a atravessar o circo de um lado para o outro, caminhando por cima de um arame (equilibrar ), com muito cuidado para não cair, até chegarem onde não havia mais fogo (colocar no chão uma corda para as crianças andarem em cima ).
            Os macacos também quiseram ajudar e começaram a jogar (lançar) tudo para fora do circo. Jogaram as bolas, os arcos, as roupas. Tudo que encontravam eles iam jogando.
            Então os bombeiros apagaram o fogo.
            Os carros começaram a voltar para o quartel dos bombeiros. Iam correndo pelas ruas (correr), com a sirene tocando (correr imitando o barulho da sirene) .
            Lá no circo, já estava tudo calmo outra vez.
            Seu João, que tinha tomando um grande susto, agora estava contente, porque tinha salvado todos os bichos. E foi feliz para casa andando (marcha final com todas as crianças cantando).

LATERALIDADE
 
Esta série de exercícios pretende mostrar a criança que em geral ela se utiliza  do seu lado esquerdo e direito simultaneamente mas que o lado não dominante ajuda o trabalho do dominante.
 
1-Bater uma das mãos na coxa, depois a outra;
2- Fechar e abrir  as mãos;
3- Abrir uma das mãos, fechando a outra;
4-Bater um pé, depois o outro;
5-Bater palmas estando com os pés juntos;
5-Bater ora os pés, ora as mãos;
Separar as pontas dos pés e depois juntá-los;
Separar os calcanhares e depois juntá-los;
6-Correr para o lado direito e depois para o esquerdo;
7-Pular com o pé direito sobre a corda, e vice-versa;
8-Colocar a mão direita na orelha esquerda;
9- Colocar o calcanhar esquerdo no joelho direito;
10-Colocar a mão direita no cotovelo esquerdo;
11-Em fila, todas as crianças, andam ao som de uma música e vão seguindo os comandos: Dê uma volta para a direita, para  a  frente, para trás, para a esquerda;
 
 
CANTAR: 
 cabeça, ombro, joelho e pé.
BRINCAR
ordem, seu lugar, sem rir, sem falar, de um pé, ao outro, de uma mão a outra, bate palmas, piruetas, cruzadinha, queda feita.(dá uma rodadinha) e pega a bola.

 



5 comentários:

Anônimo disse...

Excelente este material! Sou CP numa escola municipal de São Paulo e pretendo utilizá-lo na formação do meu grupo de professores!! Virei fã deste blog!!
Bjs!
Salete de Fátima Francisco

Anônimo disse...

Ótimo material.Vou utilizar nas minhas atividades escolares. Obrigada pelas sugestões!

Anônimo disse...

Que espaço rico de sugestões. Adorei.Parabéns.

Zé Martins disse...

Oii, boa noite!!!!!!!!!
Tá muito bacana seu blog. Só faço uma ressalva. Elimine essa história de "Cantinhos" isso tá muito ultrapassado. Invés de "cantinho" substitua por: "Espaço da leitura", Espaço do brinquedo< etc. fica mais amplo e saímos do tradicionalismo. bjus.
Agslene.

EUNICE MIRANDA disse...

Oi José, obrigada pela dica, Fica aí então a sugestão gente. se preferir escrevam Espaço da Leitura, Espaço...
Valeu!

DIA D 2014 SUGESTÕES

MENSAGEM: FALAR COM DEUS

MENSAGEM PARA REUNIÃO PEDAGÓGICA

FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR